http://igbavitoria.blogspot.com.br/

domingo, 5 de maio de 2013

ESTUDO BÍBLICO: SALMO 48


                                                    
DEUS SE FAZ CONHECER
A cidade de Deus o louva
Um cântico; salmo dos coraítas.
48 Grande é o SENHOR e digno de todo louvor, na cidade de nosso Deus.
2 Seu santo monte, belo e altaneiro, é a alegria de toda a terra. O monte Sião tem, do lado norte, a cidade do grande Rei.
3 Em seus palácios, Deus se faz conhecer como alto refúgio.
4 Por esse motivo, eis que os reis somaram suas forças e juntos avançaram contra a cidade.
5 Contudo, quando a contemplaram, ficaram pasmos e fugiram aterrorizados.
6 Ali mesmo o pavor os dominou; contorceram-se como a mulher no momento do parto.
7 Foste como o vento oriental, quando destruiu os navios de Társis.
8 Como já temos ouvido, agora também temos visto na cidade de nosso Deus: Deus a preserva inabalável para sempre.
9 No meio do teu templo, ó Deus, meditamos em teu amor misericordioso.
10 Como o teu Nome, ó Deus, assim o teu louvor se estende até os confins da terra; a tua destra está repleta de justiça.
11 Rejubile-se o monte Sião, exultem as cidades de Judá, por causa de todos os teus santos julgamentos.
12 Desfilai em torno de Sião, contai-lhe as torres,
13 Apreciai suas fortificações, contemplai seus palácios para anunciar à geração vindoura:
14 “Este é Deus, o nosso Deus para todo o sempre; Ele é quem nos guiará mesmo além desta vida”. Salmo 48 Versão King James
INTRODUÇÃO
         Os salmos 46,47 e 48 celebram Deus como o Grande e vitorioso Rei.Os três são considerados como cânticos de vitória e ações de graças pela libertação de Jerusalém da ameaça de Senaqueribe em 701 a.C.
33 Portanto, assim diz o SENHOR acerca do rei da Assíria: Não entrará nesta cidade, nem lançará nela flecha alguma; tampouco virá perante ela com escudo, ou levantará trincheira contra ela.
34 Pelo caminho por onde vier, por esse voltará; porém nesta cidade não entrará, diz o SENHOR.
35 Porque eu ampararei esta cidade, para livrá-la, por amor de mim e por amor do meu servo Davi.
36 Então saiu o anjo do SENHOR, e feriu no arraial dos assírios a cento e oitenta e cinco mil deles; e, quando se levantaram pela manhã cedo, eis que todos estes eram corpos mortos.
37 Assim Senaqueribe, rei da Assíria, se retirou, e se foi, e voltou, e habitou em Nínive. (Isaías 37:33-37)
            O Exército Sírio cercou Jerusalém, ameaçando e blasfemando o Deus de Israel, impôs terror e pânico.
            Sem que os judeus tivessem que levantar uma espada sequer, Deus se encarregou de colocar em fuga com terror e pânico os que aterrorizavam o povo de Deus. (5-6)
            Os judeus reconheceram a vitória como obra exclusiva de Deus. (8)
            A orientação do salmista neste texto é que o povo de Israel inculcasse na mente dos seus filhos, que através da palavra de Deus escrita e disponível, que vissem o relato da bondade e do poder de Deus revelados na história do Seu povo. (13-14)
Alguém disse que este é “Um cântico para alegria e um Salmo para reverência”.
Este é um Salmo Teológico, que apresenta Deus se revelando aos seus servos, e como Ele deve ser reconhecido:
1.DEUS SE FAZ CONHECER COMO ALTO REFÚGIO. (3)
         A confiança em Deus como Refúgio no Salmo 46 e como Rei dos reis nos salmos 46 e 47, colocam como o  “foco” deste salmo a confiança que devemos ter em Deus.
            Nos salmos 46,47 e 48 uma palavra apresenta três  traduções referindo-se a Deus: “Grande”, “Glorioso” e “bem presente”. Isso faz com que Deus seja o refúgio que a sua igreja precisa.
         A Cidade de Davi é identificada como a Cidade Refúgio para o povo de Deus daqueles dias. Alí estava o Templo onde Deus falava com o povo.
Para nós,  a igreja é, também, um lugar de refúgio, mas o refúgio não é a igreja, e sim  Deus.
        I.            Para os pecadores Deus é o Refúgio contra a ira. João 3:36
     II.            Para os servos de Deus, Ele é o Refúgio nos momentos de tribulações e dos seus medos.
Aprendemos neste salmo que, se Deus estiver ausente, o mais lindo e suntuoso palácio jamais será  um refúgio para alguém.
Com a presença de Deus, Ele sendo conhecido e amado alí, não importa qual seja a situação, uma cabana ou um ranchinho de palha, se torna um Palácio de Refúgio.
É o que cantamos com o Hino 490 do Cantor Cristão: “Bem pouco importa eu ir morar/ Em alto monte, à beira-mar,/ Em casa ou gruta, boa ou ruim,/ Com Cristo aí é céu pra mim!”
É assim que Deus se faz conhecido, como alto refúgio para os que o buscam.
2.DEUS SE FAZ CONHECER COM AMOR MISERICORDIOSO. (9)
            O Salmo 46 celebra a libertação do povo de Deus de um grande perigo.
            O Salmo 47 exalta a majestade de Deus, que sempre operou a salvação no meio do Seu povo.
            O Salmo 48 descreve como Deus com o Seu amor misericordioso protege e preserva maravilhosamente o lugar onde estão os seus servos.
            Deus prova o Seu amor para conosco, no fato de ter-nos dado o Seu Filho para nos salvar, sendo nós pecadores. Esta é a maior manifestação do amor de Deus pelo homem em geral. Rm. 5:8
Mas, também, Ele prova o Seu amor e misericórdia:
Ø Consolando os tristes e aflitos!
Ø Perdoando os contritos de coração!
Ø Ajudando a todos os que o buscam com integridade de coração!
Diante de homens pecadores e rebeldes, só  Deus com amor misericordioso, pode executar todos esses benefícios por eles. É assim que Ele se revela neste salmo.
3. DEUS SE REVELA COMO SOBERANO, “GRANDE SENHOR!” (1)
         É exatamente o fato de Deus ser o Grande Senhor que,  O torna digno de ser louvado! (1) Louvamos ao Deus que é SENHOR absoluto sobre as nossas vidas.
            É assim que este salmo apresenta o nome de Deus, orientando-nos sobre  como devemos  adorá-Lo:
Ø Devemos adorá-Lo como Deus Supremo! (1)
Ø Como Deus Irrestrito! (8)
Ø Como Deus Universal! (10,13-14)
Ø Como Deus Eterno! (8,14)
Na verdade estes são alguns dos atributos de Deus, através dos quais, Deus quer ser  conhecido.
4. DEUS SE FAZ CONHECER COMO ONIPRESENTE. (10)
         Este é mais um dos principais atributos de Deus.
         A mensagem é que Deus é o mesmo ontem, hoje e eternamente.
            Deus sempre foi para o Seu povo, o que Ele o É agora e o que será para as gerações futuras.
            Do modo como a Bíblia registra a Sua Pessoa e os Seus propósitos, assim Ele é. (8)
            Ele é o mesmo, do mesmo modo como sempre foi visto e ouvido!
            Ele será sempre o que é agora: Deus presente! (14)
         É por ser Onipresente, que Ele conhece o nosso ser, os nossos pontos fracos e os fortes, bem como todas as nossas necessidades. É por isso que cantamos: “Nele a gente pode confiar!”
            Ele é o Deus Onipresente, bem antes da criação do mundo. Lá no início Deus está presente, antes de existir qualquer coisa criada. Ele sempre esteve e estará presente na eternidade.
            Ele se revela como o Deus presente em nossas vidas, quando nós o buscamos inteiramente.
5. DEUS SE FAZ CONHECER REPLETO DE JUSTIÇA. (10)
         Deus é repleto de justiça, porque Ele é justo.
         Este é mais um dos principais atributos de Deus.
         Spurgeon define essa questão da revelação de Deus repleta de justiça, como:
        I.            Em Deus vemos a justiça da Onipotência!
     II.            Vemos a Onipotência controlada pela justiça!
   III.            Somente em Deus podemos ver a onipotência da justiça!
Nós vivemos em um país que, já teve várias Constituições Federais, e a sensação que temos é que não existe leis justas aqui. As Leis brasileiras foram feitas e outorgadas para proteger os que a elaboraram e os delinqüentes que estão por aí, roubando, assassinando, estuprando, sendo corruptos e corruptores, etc.
Deus se faz conhecido em nosso texto, como Deus justo, que faz justiça em todas as circunstâncias. A justiça divina não falha! Podemos confiar!
6. DEVEMOS ANUNCIAR ESTE DEUS ÀS NOVAS GERAÇÕES. (13-14)
         Uma das ênfases em toda a Bíblia é que devemos ser proclamadores de Deus e dos seus feitos maravilhosos.
         No texto a bondade de Deus para conosco deve ser celebrada (11), e também, publicada às gerações mais novas. (13)
            O salmista apresenta a família como o primeiro Campo Missionário para o crente!
Se desejamos que os nossos filhos e os nossos demais descendentes busquem e honrem a Deus, nós devemos alimentar um estilo de vida, que prove o quanto o SENHOR é precioso, de fato, para nós. (13).
            A ênfase aqui é que através da Torá, anunciassem às futuras gerações os atos de Deus pelo seu povo, demonstrando a Onisciência, Onipresença, a misericórdia, a justiça e o poder de Deus manifestados na história do Seu povo. (8; 44:1 e 78:3)
            Para o salmista Deus tem realizado a Sua obra de salvação ao longo da história, e isso precisava ser anunciado às  gerações futuras.
“Então o SENHOR enviou um anjo que destruiu a todos os homens valentes, e os líderes, e os capitães no arraial do rei da Assíria; e envergonhado voltou à sua terra; e, entrando na casa de seu deus, alguns dos seus próprios filhos, o mataram ali à espada.  Assim livrou o SENHOR a Ezequias, e aos moradores de Jerusalém, da mão de Senaqueribe, rei da Assíria, e da mão de todos; e de todos os lados os guiou.  E muitos traziam a Jerusalém presentes ao SENHOR, e coisas preciosíssimas a Ezequias, rei de Judá, de modo que depois disto foi exaltado perante os olhos de todas as nações!”  (II Crônicas 32:21-23)
            Quanto a nós já no Século 21, se o buscarmos de todo o nosso coração, também, Deus fará por nós, tudo o que a Palavra de Deus nos ensina e garante a respeito dEle.
            Ó nosso principal objetivo deve ser louvá-Lo com dignidade.
            A principal ênfase deste Salmo é que este é o nosso Deus para sempre e eternamente.
            Devemos submeter a Ele a direção de cada passo de nossa vida, até que passemos à Sua presença na glória celeste.
CONCLUSÃO
         Deus se faz conhecer revestido de benignidade (9)
            Sempre presente e atuante no meio do Seu povo.
            Com a Sua mão poderosa repleta de justiça, fazendo juízos justos.
            Como quem trabalha sempre pelo seu povo, porque Ele é o nosso Deus eternamente. (14)
            Como o nosso Guia até a morte e depois dela. (14)
Por tudo isso, podemos confiar inteiramente em Deus, e proclamá-Lo às gerações futuras.

Pr. José das Graças Silva Oliveira


Nenhum comentário:

Postar um comentário